Os solos: substracto de biomassa

Os solos sustentam as plantas geradoras de biomassa.

Energia maremotriz: Portugal

Os portugueses estão felizes porque desde hoje seu país é exemplar na produção de energia maremotriz: Um inovador parque de energia de ondas do Atlântico foi inaugurado frente à costa norte de Póvoa de Varzim. O projecto “Enersis” foi realizado em parceria com a empresa escocesa Ocean PowerEnergy (OPD) e teve um custo de investimento de pouco mais de 8,5 milhões de euros (quase R$23 milhões).

Na primeira fase, as instalações vão produzir energia eléctrica suficiente para uma população de 6 mil habitantes, mediante três máquinas de aproveitamento energético, com uma capacidade de 750 quilowatts cada uma. Isto vai permitir uma produção média de sete gigawatts por hora em um ano.

A instalação cilíndrica de50 metrosde comprimento e um perímetro de3,5 metros(dos quais somente um metro está sobre o nível do mar) permite a chegada de energia. Esta se produz pelas ondas da maré alta, pois são mais estáveis das que estão na costa e depois, transporta o cabo submarino até a estação mais próxima da conexão com a Rede Eléctrica Nacional.

Energia maremotriz

Energia maremotriz ou das marés, é o modo de geração de electricidade através da utilização da energia contida no movimento de massas de água devido às marés. Dois tipos de energia maremotriz podem ser obtidas: energia cinética das correntes devido às marés e energia potencial pela diferença de altura entre as marés alta e baixa.

Tipos de energia marítima
Até agora há quatro maneiras de converter a energia marítima em eletricidade limpa:
– Energia do movimento das ondas
– Energia das correntes marítimas e das marés
– Energia da temperatura da água quente e fria
– Energia da diferença de pressão entre água doce e salgada

Energia hidroeléctrica: Portugal

A estratégia de aumentar a produção de energia renovável, limpa e endógena contempla a construção de novas barragens. Portugal tem ainda mais de 50% do seu potencial hídrico por aproveitar, um dos mais baixos índices da Europa. É essa sub-utilização que sustenta o Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico (PNBEPH), aprovado pelo Governo em 2007.

Além de ajudarem a reduzir a dependência energética do exterior, as barragens, em particular as reversíveis, têm outras vantagens: reforçam a segurança do sistema de abastecimento eléctrico e armazenam a energia excedentária produzida pelas eólicas.

Os oito projectos concessionados no âmbito do Programa Nacional de Barragens (PNB) só entrarão em pleno funcionamento no final da próxima década.

A EDP vai construir três destes projectos (Foz Tua, Fridão, Alvito). Estarão concluídos em 2016. Incluindo estes projectos, até ao final da década, o Grupo prevê acrescentar 3.500 MW ao seu actual parque hídrico, composto por 36 barragens.

Os grupos espanhóis Iberdrola e Endesa vão construir e explorar as restantes cinco barragens do PNB, cuja conclusão está prevista para 2018. Nessa altura, a capacidade hidroeléctrica do país deverá rondar os 9.000 MW, produzindo 17, 9 TWh/ano de produção bruta ou 13,3 TWh/ano de produção líquida de bombagem. Será o suficiente para abastecer 2,2 milhões de pessoas com electricidade produzida a partir de energias renováveis.

Barragens no Norte de Portugal

 

 

 

Centrais Hidroeléctricas

Uma central hidroeléctrica envolve um conjunto de equipamentos, que tem por finalidade produzir energia eléctrica através do aproveitamento do potencial hidráulico existente num rio.

A água (geralmente proveniente de um curso de água, como um rio) encontra-se retida num reservatório, sendo depois canalizada por uma conduta, até às pás das turbinas, que

se movimentam com a força da água. Este movimento é transmitido aos geradores, que produzem a energia eléctrica.

Os maiores produtores mundiais de energia eléctrica, a partir da energia hídrica, são os Estados Unidos, o Canadá e o Brasil.

As centrais hidroeléctricas são responsáveis por alguns impactos ambientais como o alagamento das áreas vizinhas, aumento no nível dos rios, em algumas vezes podem até mudar o curso do rio onde são implantadas, podendo, ou não, prejudicar a fauna e a flora da região. Todavia, é ainda um tipo de energia mais barata do que outras, como a que se produz a partir da  energia nuclear e menos agressiva ambientalmente do que a utilização do petróleo ou  do carvão, nas centrais termoeléctricas, por exemplo.

Central hidroeléctrica (esquema)

Energia geotérmica: Portugal

A geotermia afigura-se como uma das formas possíveis e viáveis no aproveitamento do vasto leque de energias que o nosso planeta nos oferece. Os Açores constituem a zona com maior potencial e afirmam-se como o principal nome de referência na exploração deste recurso.

Em Portugal continental existem essencialmente explorações de energia geotérmica de baixa temperatura ou termais, que podem ser divididas em dois tipos: aproveitamento de pólos termais existentes (com temperaturas entre os 20 e os 76º C) e aproveitamento de aquíferos profundos de bacias sedimentares. No primeiro caso, podem-se citar como exemplo os aproveitamentos em Chaves e S. Pedro do Sul, a funcionar no segundo destaca-se o projecto geotérmico do Hospital da Força Aérea do Lumiar, em Lisboa. Esta instalação, a operar desde 1992, obtém energia através de um furo com cerca de 1500 metros de profundidade, com temperaturas superiores a 50º C.

As explorações mais interessantes na área da geotermia são realizadas nas ilhas dos Açores, onde actualmente estão inventariados 235,5 MWt. O enquadramento geoestrutural do arquipélago junto da Crista Médio Atlântica, na confluência de três placas tectónicas – americana, africana e eurasiática -, proporciona uma intensa actividade vulcânica, bem como outros fenómenos que demostram bem a grande quantidade de energia que subsiste no subsolo. Por outro lado, a produção de energia eléctrica nos Açores possui condições peculiares, derivadas do facto de a região estar fora da rede nacional e europeia, existindo nove sistemas electroproductores independentes de reduzida escala.

Falha tripla Açores (Rift)

Energia geotérmica

Esta energia aproveita o calor interno terrestre injectando um fluido (água) e recebendo-o sob a forma de vapor aquecido.

Central geotérmica no Japão

Central geotérmica

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.